Arquivo da Categoria: Até já

Começo…

…  a sentir saudades deste espaço. É bom e mau sinal! É bom sinal porque regresso à escrita, ao reordenamento de algumas ideias soltas que me atormentam e inquietam; é mau sinal porque sinto um déjà vu… dizem as más línguas que não se deve regressar a um lugar onde se foi feliz.

10 anos.

… de permanência na blogosfera. Admirável, permitam-me a imodéstia! Quer concordando ou discordando das minhas opiniões, sempre sugeri seriedade na discussão, desejei o debate construtivo, procurei a congruência entre o que defendi, e defendo, e a minha prática profissional. Não foi um olhar inócuo sobre a realidade que percecionei. Foi um olhar comprometido com o modo como me situo na vida.

Este outroolhar só fez sentido porque existiu o olhar do outro. Um bem-haja a todos os meus companheiros na blogosfera que partilharam este espaço: pelo sistema de relações que criámos, pela possibilidade de desocultarmos progressivamente a realidade, e pela oportunidade que me deram para acelerar o meu crescimento e desenvolvimento pessoal.

Até já! E já agora: sobrevivam por favor ao ano que aí vem!

Marco

Este é um tempo que requer capacidade de adaptação à mudança. É nossa obrigação, pois, influenciarmos o sentido dessa mudança. Simbolicamente quero marcar este tempo com um novo espaço. Após uma breve passagem pelo Sapo (escrita extensa, rebuscada), cerca de 9 meses (o embrião ganhou vida), a blogosfera foi um espaço de questionamento introspectivo. Já no Blogspot, a discussão e a informação tomou conta do espaço. Foi um olhar para o olhar do outro que se materializou na criação de dois blogues comunitários – o Aragem e o Educação Física e Desporto – Diferentes Olhares? – e no acompanhamento de dezenas de blogues dedicados à coisa educativa.

Após 4 anos de escrita quase diária mudo de linha, sigo agora outro trilho. Não será o fim de linha, portanto, será apenas um ligeiro desvio de rota para o mesmo destino, porque há que manter no horizonte o mesmo destino: o auto-aperfeiçoamento.

Revelado o motivo profundo, urge aclarar o objecto de sempre: o contexto educativo, a escola situada, a política educativa, o sujeito que se vai revelando em cada (in)acção; e os instrumentos de sempre: a informação, a reflexão e a crítica. O estilo? Quiçá mais provocador e incisivo…

Siga por este trilho: https://olhardomiguel.wordpress.com