Déjà vu (II)

É um facto indesmentível que as associações/federações sindicais ainda não conseguiram acertar os passos numa caminhada conjunta, como constatou o Nuno. As razões que determinaram esse facto são especulativas. Cada um enfatizará o que mais lhe convier para explicar a aparente idiotice: Do meu ponto de vista, o facto de a FENPROF caminhar sozinha decorre de outro facto: a FNE encontra-se ideologicamente cativa das políticas de direita que não lhe permite fazer uma oposição enérgica ao governo; do ponto de vista daqueles que se situam no lado direito do quadrante político, é compreensível que necessitem de culpar a FENPROF pelo desejo de um putativo protagonismo nas iniciativas de rua ou nos protestos de massas; do ponto de vista dos pseudoindependentes das estruturas sindicais, este assunto é irrelevante porque as iniciativas coletivas são estéreis, sobrando as heroicas iniciativas individuais que a existirem são desconhecidas pelas massas e obstaculizam, sabe-se lá como, o avanço das políticas opressivas deste governo.

A realidade é multicolor!