Crise de identidades

Confesso que já passei por melhores momentos na profissão. Já vivi momentos profissionais mais estimulantes, quiçá de maior risco, ou por via do maior risco.

É bem provável que este estado provavelmente transitório coincida com uma alteração de identidade profissional. Quero com isto significar que o modo como sinto a minha identidade é o resultado como a defino pela mente, coração e corpo. Ora, as circunstâncias profissionais, determinadas por uma amálgama da cultura, da biografia pessoal, da influência social e dos valores institucionais, podem mudar. E podem mudar com as emoções. E podem mudar mudando os eus subjetivos que emergem com as histórias pessoais e sociais, com os papéis atuais, com as crenças e descrenças, com os valores, acerca do tipo de professor que esperamos ser.

Não, não se trata de uma desesperança assumida. Trata-se de sinal de situação!