Desmitificando os exames

Um estudo CIENTÍFICO (senhor ministro Crato) da Universidade do Porto vem revelar algo que por aqui se vai dizendo insistentemente em contra corrente blogoEsférica:

– Os exames não separam o trigo do joio – médias excelentes no secundário não garantem percursos de excelência no ensino superior; assim como médias de 13 e 14 no secundário não obstam percursos de excelência no ensino superior;

– As situações de avaliação do ensino superior são muito diferentes das que são colocadas nos exames nacionais requerendo capacidades que não são estimuladas com o treino para os exames nacionais;

– Os alunos do ensino público têm um grau de autonomia maior… ;

– As escolas privadas treinam melhor os alunos para os exames;

O que me permite inferir que o sistema de seleção dos alunos para o ensino superior, tão influenciado pelos resultados em exames nacionais, é iníquo e prejudica fundamentalmente os alunos do ensino público.