A propósito do erro crato de retirar tempo à Educação Física…

… divulgo um testemunho interessante que foi retirado do blogue do professor José Soares.

Um mail de um ex-aluno meu sobre as questão das horas de EF.

do José Soares de José Soares

Este mail foi-me enviado por um ex-aluno aquando da publicação do meu vídeo sobre a redução de horas de EF. Pedi autorização para o publicar na íntegra e aqui está uma reflexão muitíisimo interessante.

Caro Prof. José Soares,
O meu nome e Ricardo Furriel e foi com muito agrado que escutei o seu vídeo acerca da Educação Física nas escolas.
Eu acabei a minha licenciatura na FCDEF (agora FADEUP) em 2002 e estou desde 2003 em Nova Iorque a dar aulas de Educação Física.
Depois de ver o vídeo, o que me chamou mais a atenção foi a parte do seu encontro com a Secretaria de Estado. Deu para entender que ela estaria super interessada e motivada para fortalecer a ideia de saúde e bem estar nas escolas publicas. Mas os problemas parecem sempre começar a partir dai: as ideias e vontade criam-se, mas não há um plano e implementação dessas mesmas ideias.
Eu fiz Erasmus em Roma no meu 4o ano do curso (2000/01) e em 2001/02 estagiei na Escola António Sérgio em Gaia. Já nessa altura se falava em investir mais no desporto escolar, proporcionar horas extras a docentes e alunos, alertar para a necessidade de maior foco na saúde e bem-estar etc… Tudo boas ideias, mas que sem apoios (financeiros, logisiticos e admnistrativos) essas ideais acabam sempre por acabar no esquecimento.
10 anos volvidos e o cenário não me parece que esteja a mudar. Os meus colegas, alem de não saberem se tem emprego ou não, alguns deles com família, contam-me historias que eu costumava ouvir na António Sérgio… ou pior! Ou seja… o que aconteceu nos últimos 10 anos?
Para lhe fornecer uma ideia mais clara daquilo que eu estou a falar: eu trabalho numa escola publica, high school (o equivalente ao nosso ensino secundário), com alunos do 9o ao 12o ano (aqui são quatro anos ao contrario de 3 em Portugal).  Todos os alunos tem que completar 7 semestres de Educação Física e um semestre de Saúde para lhes ser atribuído o diploma. Todos os alunos tem Educação Física todos os dias durante 48 minutos. Na minha escola, as instalações incluem 1 piscina olímpica (reabriu este ano), 2 ginásios de musculação, 1 sala de spinning, 2 salas de dança, 1 sala de yoga, 1 sala de wrestling, 1 pavilhão de voleibol, 1 pavilhão de basket, 1 campo de futebol / futebol americano / basebol com pista de atletismo e 4 campos de ténis.
Antes de continuar, eu estou a par da realidade e sei que não e possível comparar com Portugal. Mesmo aqui em NYC há muito poucas escolas que tem estas instalações. Mas todos os anos a minha Principal (equivalente a Presidente do CD) põe uma determinada parte do orçamento para o desporto. E não e opção, ela tem mesmo que fazer isso. E porque? Porque da um bom nome a escola e atrai estudantes e pais. E quantos mais estudantes concorrerem a escola, melhor publicidade a escola tem. E o ciclo continua.
Outra das coisas que e fulcral em Nova Iorque e o desporto escolar. Os clubes são extra quando falamos em atletas. A minha escola tem 22 equipas e um total de 400 atletas. Os vários desportos são praticados 3/4 meses por ano e e normal um atleta que joga futebol de Setembro a Novembro faca parte da equipa de Atletismo Indoor de Dezembro a Fevereiro e Outdoor de Marco a Junho. Isto só para dar um exemplo. As universidades americanas recrutam 99% dos seus atletas nas escolas secundarias. Todo este processo ajuda os atletas, pais, professores e administradores a perceberem e a respeitarem o que e desporto, o que e Educação Física e o quão importante e a saude e o bem estar para o seu dia a dia.
Claro que depois de saírem da escola tem um McDonalds e um Burger King a cada canto, mas pelo menos há vontade e realmente investimento no que concerne a Educação Física. Eu como professor de Educação Física sinto-me obrigado a informar todos os meus alunos da importância de uma boa alimentação, sono, exercício etc para melhorar o seu bem estar. E a razão maior e porque os meus superiores me dão incentivo para tal.
O ponto a que queria chegar: se só houver vontade por parte de quem manda, ira ser complicado. O mercado da Educação Física nas escolas em Portugal esta saturadissimo. Os professores “novos” com vontade, disponibilidade e crença em melhorar o “sistema” não tem lugar. Com os cortes orçamentais que se vem nos jornais todos os dias não me parece que a situação vá mudar a curto prazo.
Infelizmente para a educação física nas escolas.

Um abraço,
Ricardo Furriel