A luta dos professores e a negação da individualidade

Para compreender este comentário, necessita de ler este texto muito certeiro do Luís.

O individualismo como cultura organizacional é, a meu ver, a negação da individualidade. Enquanto o individualismo significa atomização social, a individualidade implica independência e realização pessoal. Há muito tempo que os professores cultivam hábitos do individualismo o que revela ausência de uma ética do cuidado com os outros. Maria de Lurdes Rodrigues, pelas piores razões, acabou por fazer despertar essa ética e nunca estivemos profissionalmente tão perto de uma cultura de colaboração na escola situada. Agora regressamos ao passado, com a agravante de capitularmos perante a opinião pública e perante nós próprios, fazendo perigar a nossa individualidade. Adivinham-se tempos em que emergem sentimentos de culpa e agora, mais do que nunca, os professores mais lúcidos e mais assertivos precisam de ligar as pontas, criando culturas de colaboração, a bem da sanidade mental de todos.