Vem aí uma Greve, chegaram as carpideiras…

… do costume: as arrependidas, os arautos da desgraça, e levanta-se uma onda de videirinhos que só aderem a uma greve no dia seguinte, depois de se confirmar que afinal houve grande adesão.

Todas partilham o desprazer das lutas de massas, mas por motivos diferentes: as carpideiras arrependidas tiveram de vencer a sua luta interior contra um certo snobismo – porque não ficam bem a calcorrear as ruas gritando palavras de ordem, coisa de pelintra, numa mescla com proletários do ensino ou detestam as encenações dos sindicatos; outras por fidelidade/oportunidade política preferem alimentar a teoria do caos – porque a greve apressará o país para a bancarrota; e, claro, os videirinhos não fazem greve porque não vai valer a pena, aliás, nada vale a pena.

É mais do mesmo…