Recusar a “meritocracia” de conveniência: Urge democratizar a escola!

“Os problemas do mundo atual exigem uma escola meritocrática, não uma escola que se esgota em projetos de treta, cidadania para aqui e para ali e muita fabricação de sucesso estatístico.”

O Ramiro está coberto de razão: os problemas do mundo actual exigem uma escola meritocrática. Não uma meritocracia manca que apenas destaca aptidões e capacidades de conveniência para um determinado tipo de aluno. Os problemas do mundo actual exigem uma escola democrática que promova todas as aptidões e capacidades das crianças e jovens. Sendo a escola actual unidimensional, no modo como promove o desenvolvimento das crianças e jovens, o discurso da meritocracia acaba por ser inconsequente se não for qualificado de democrático. Para que a escola actual atinja a diversidade das aptidões de todos os sujeitos que a frequentam e que reconheça não uma mas todas as excelências que fazem transcender o ser humano, tem de mudar de paradigma: A escola meritocrática vale muito pouco se não for democrática. Defender o mérito sim. Mas todos e de todos!