Agora é de vez…

Li, sem surpresa, orgásticas declarações de apreço à escolha do novo ministro da educação. Afinal, a retórica do rigor e da exigência passa muito bem e qualquer professor ciente da sua excelência profissional, manifestada nos resultados dos seus alunos ou num autoconceito inchado, acolherá com entusiasmo quem, do alto da sua cátedra, sabe distinguir o ensino a sério do ensino faz-de-conta.

Finalmente, a escola faz-de-conta tem os seus dias contados! Agora sim: A excelência profissional terá um chão que medre (ou de merd@).