Encontro Nacional de Dirigentes de Escolas Públicas

Não direi que a montanha pariu um rato porque não esperava qualquer posição de força clara, inequívoca, desprendida…, do encontro de directores que decorreu, hoje, no Porto. Até porque os directores são professores, logo, são feitos da mesma massa. Há de tudo: corajosos, temerosos, videirinhos, cordeirinhos, justos, ponderados, etc., etc.

Alguns dos presentes consideraram ainda que «a força espontânea e autónoma dos professores que contestaram o modelo anterior foi utilizada pelos sindicatos», que acordaram com o Ministério da Educação esta avaliação, com a qual «é impossível produzir resultados justos».

E como não confundo a beira de uma estrada com uma estrada da Beira, não confundo a posição de um grupo de directores ou de um director com a posição do Grupo de directores.

É provável que a crítica saliente na peça jornalística e que aparece truncada seja da exclusiva responsabilidade do editor da notícia. Ouviu e interpretou mal, digo eu.

Os sindicatos acordaram esta avaliação?

Balha-me Deus!…