Época de transferências

O Ramiro anunciou aqui, e o Paulo aqui, que um dirigente do SPGL irá integrar um das estruturas centrais do ME. O paralelismo com o futebol é inevitável: Para as duas equipas ganharem com a transferência, o modelo de ADD do ME teria de sofrer um entorse. Winking smile

8 thoughts on “Época de transferências

  1. Miguel,
    Tal como se reclama um “período de nojo” para que um governante se “passe” para a administração de uma empresa que tutelava, também é exigível que um sindicalista observe o mesmo período de nojo para se passar de armas e bagagens para a entidade empregadora contra a qual sindicava.
    Infelizmente, entre a maltinha que circula em torno dos partidos do “arco do poder”, e em especial entre a malta do “centrão”, esses princípios éticos não contam e quem se submete a eles não passa de um “tolo” e de um tipo fora do tempo e da “modernidade”.
    Não, não foi um sindicalista com “S” grande que se “transferiu” para o ministério. Foi um “videirinho” que usou uma organização, que devia ser de classe (mas que a social democracia desfigurou por completo), para trepar na vida.
    Com gente dessa os cidadãos ficam sempre a perder.

    Gostar

  2. ok, ok… já verifiquei que a ironia passou despercebida, Francisco. Ainda te lembras do modelo de ADD proposto pela Fenprof? Aguardarei (sentado ou deitado para não me cansar) pelo contributo que irá ser dado de forma a inflectir o modelo vigente. 😦

    Gostar

  3. Há dias a minha teoria, quando tomei conhecimento da situação, foi muito semelhante à tua, Miguel.
    Mas mudam-se os tempos… 😉

    Gostar

  4. Miguel,
    O “modelo” “”alternativo”” desenhado pelo recém transferido era tão mau como o da Milú.
    Não levava em atenção o que se sabe (a investigação é abundante) sobre a avaliação de professores e a sua ligação com remunerações e carreiras. Por isso também não fazia a imprescindível separação entre a melhoria do trabalho docente e a accountability que prescreve “boas práticas” sem que estas seja reconhecidas e apropriadas pelos destinatários.
    Não sei o que vem aí, também por parte da FENPROF. Sei que não vou pelo caminho dos “videirinhos” da política de interesses pessoais.

    Gostar

  5. Interesses Pessoais?????
    Todos tomamos diversas opções ao longo da vida, umas certas e outras erradas, mas tornar um comportamento pouco transparente (opinião pessoal) de um dos seus membros, pelo colectivo, é ridiculo?
    Como classificar o Comportamento da tendência sindical de FJSantos, quando em vésperas do congresso da FENPROF propôs Tréguas e em troca de não hostilização do cargo de Secretário Geral (retirando candidatura de Manuela Mendonça) aceitava não se opor a alterações nos Estatutos?
    Afinal de contas onde estão os videirinhos?

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s