As verdades que (des)obrigam a acção.

"A luta dos professores vai conhecer a dimensão que já teve no passado", garante Mário Nogueira da Fenprof, perante o que diz ser o "desrespeito" pelo acordo firmado com os professores em Janeiro.

É verdade que nem todos os professores concordam com os termos e com a oportunidade do acordo firmado entre os sindicatos de professores e o ME.

É verdade que o ME já anunciou que não cumprirá o que foi acordado e que as expectativas dos professores foram defraudadas.

É verdade que a desmobilização dos professores para a luta continuada é, simultaneamente, causa e consequência do acordo.

É verdade que a verdade é plural face à idiossincrasia dos sujeitos que a invocam.

Eis um conjunto de verdades que servirão de pretexto para recusar ou aderir às lutas de rua.