Chumbo à discussão dos chumbos!

Sempre me fez alguma confusão a ideia que perpassa das medidas de política educativa que não suscitam o comprometimento dos alunos. Mudar de curso como quem dá aquela palha é apenas um exemplo do efeito perverso da “infantilização” do sistema de ensino. Não defendo escolhas definitivas de um curso no início do ensino secundário. O que eu defendo é a responsabilização dos alunos pelas suas decisões. Defendo que uma opção, seja ela por uma via profissionalizante ou, dentro desta, de uma área profissional, reclame um compromisso do aluno. E deve haver consequências para o aluno pelas suas decisões. A leviandade deve ser penalizada. Assim como deve ser penalizada a opção equívoca de um percurso escolar, quando se escolhe um curso para o qual se veio a descobrir falta de propensão ou requisitos, por exemplo.

Como promover a responsabilidade nos alunos?

Sem este enquadramento é difícil discutir com seriedade o óbito dos chumbos no ensino.