Chover no molhado

Concordo com o Ramiro, como se infere de tudo o que escrevi sobre o assunto em devido tempo mas que me recuso a repetir agora porque não quero que chova no molhado, embora me projecte no “drama” do PauloG: Este ME, ao invés do anterior, decreta ao retardador.  O que não sendo mau de todo sob o ponto de vista político, porque há menos decisões desacertadas, é um problema: cadê a matéria para nos recrearmos?

Anúncios

13 thoughts on “Chover no molhado

  1. ramiro marques 13/06/2010 às 09:03 Reply

    Tens razão: o problema de alguma gente é falta de matéria para se recrearem. Eu não tenho paciência para quem faz da guerra aos sindicatos um desporto nacional.

  2. Paulo Guinote 13/06/2010 às 09:55 Reply

    Eu sigo 2 princípios:

    1) Não assumo em privado uma coisa e outra em público.
    2) Não faço ziguezagues a cada dia que passa.

    Esta não é, obviamente, uma crítica ao Miguel, que de mim discorda quase sempre. É para o Ramiro que ora escreve uma coisa, ora escreve outra, basatando para isso lembrar que em Novembro de 2008 era ele que dizia que nem mais um tostão devia ser dado aos sindicatos.

    Haja memória.
    Haja decoro.

  3. Shue 13/06/2010 às 14:12 Reply

    Meh…
    A chuva também faz falta.

  4. mariazeca 13/06/2010 às 16:41 Reply

    No molhado nem por isso. É quando a chuva é chatinha, mesmo.
    Embora a alternância contante entre sol e chuva me deixe lixadinha, também.
    A propóito, Miguel, aí pelo norte ainda não choveu que chegue????
    É que até aqui por Marrocos o ano foi muita mau! 😉

    • Miguel Pinto 13/06/2010 às 22:27 Reply

      😆 aqui por Marrocos, mariazeca?… Essa foi forte 🙂

  5. Paulo G. Trilho Prudêncio 13/06/2010 às 18:36 Reply

    Viva Miguel.

    Concordo com o PauloG, Não percebo esta coisa dos sindicatos não serem criticáveis; não entendo mesmo. Onde estávamos se não o tivéssemos feito? Espero ainda hoje escrever um post sobre isso. Que raio de coisa esta. Afinal a a blogosfera docente não se afirmava como a verdadeira web 2.0? Chega de alinhamentos, que raio. Podemos discordar, claro que devemos; mas temos de manter uma coerência mínima e respeitar as opiniões dos outros.

    Francamente. Fico triste, sou sincero.

    Abraço.

    • Miguel Pinto 13/06/2010 às 20:20 Reply

      Claro que o sindicatos são criticáveis. E ninguém deve ficar imune à crítica. Inclusivamente aqueles que criticam os sindicatos, Paulo. Não percebo por que razão as ideias do PauloG não podem ser criticáveis. Que estranha ideia de web 2..0 😉

      • Paulo G. Trilho Prudêncio 13/06/2010 às 20:47 Reply

        Viva Miguel.

        Claro. Quando se trata da discordância sobre políticas ou factos.

        A discussão com o PauloG tem sido sempre interessante e levada; reparo que se sente bem com a discordância, claro.

        Por mim é assunto encerrado 🙂

        Abraço.

        • Paulo G. Trilho Prudêncio 13/06/2010 às 20:48 Reply

          Oh, não costumo entrar nessa das erratas 🙂

          elevada em vez de levada, ok PauloG 🙂

          • Miguel Pinto 13/06/2010 às 22:30 Reply

            E por falar em erratas, Paulo, quem não se livra delas são os teus amarelinhos 8) Logo teremos mais uma maratona 🙂

            • Paulo G. Trilho Prudêncio 13/06/2010 às 23:01 Reply

              Viva Miguel.

              se bem te lembras, dei ao joelho do Bynum o papel decisivo; não fosse isso e já estávamos em 3 x1; vamos ver como é que o rapaz se porta hoje :); não sei se chego lá; vamos ver 🙂

              Abraço.

  6. fjsantos 13/06/2010 às 18:54 Reply

    Ao contrário do que por vezes se insinua, ninguém defende a infalibilidade dos sindicatos, dos seus dirigentes e dos seus membros.
    Infalibilidade, só conheço a papal, e sobre essa tenho legítimas dúvidas.
    A questão verdadeiramente relevante é saber da fundamentação das críticas e dos objectivos escondidos por trás delas.
    A esse propósito e recordando o discurso que fez escola com o governo anterior, remeto para o post que escrevi há pouco:
    http://fjsantos.wordpress.com/2010/06/13/estado-sindicatos-e-professores/

  7. Paulo G. Trilho Prudêncio 13/06/2010 às 19:06 Reply

    Viva Francisco.

    De acordo. Mesmo a papal já não é o que era.

    Vamos lá ver se nos entendemos: já li o teu post. Não se trata de insinuações e ponto final. Trata-se de discutir factos. Desde logo, a não limitação de mandatos nos sindicatos e a passagem – legal, claro – de dirigentes sindicais fervorosos e radicais para as DRE´s e continuaram esse fervor ao serviço duma agenda neoliberal. Pode confiar-se assim tão cegamente nos que ficam? Estamos afalar de pessoas, é que sem elas não há ideologias. Voltarei ao assunto no meu blogue, logo que possa.

    Fico triste é com algum resvalar da discussão, como bem sabes. Estou nisto do modo que se conhece e nunca num qualquer jogo de alta competição. Sei bem contra o que luto, ou melhor, sei bem o que defendo: a liberdade e a democracia.

    Abraço.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: