Comer e calar

O presidente do CNE (conselho nacional de escolas) não gosta da visibilidade dos casos de violência nas escolas e considera até que «há um "alarmismo desnecessário" em torno do tema da violência nas escolas, que, sublinha Álvaro Almeida dos Santos, "traz mais desvantagens do que vantagens"».

Ainda pensei, erradamente, que o excelso colega nos assinalasse, com exemplos concretos, acções de combate à violência intra-muros. Nada disso. O que o homem quer é o silêncio, a mordaça. E ficou chocado com as notícias. Era bom que ficasse chocado com os acontecimentos.