A tranquilidade vai voltar às escolas?

Pergunta o Público: “A tranquilidade vai voltar às escolas? As perdas de qualidade do ensino, por via do prolongado conflito agora encerrado, são irreparáveis? Ou, pelo contrário, existem agora mais e melhores condições para inverter o caminho? Seis respostas sobre o que espera a educação em Portugal.”

Pelo teor das respostas, presumo que @ jornalista do Público questionou o inquiridos com a questão genérica: Que portas abre o acordo entre o Governo e os sindicatos?

Mas como ninguém respondeu directamente à questão, eu insisto: A tranquilidade vai voltar às escolas?

A minha resposta é Não! A tranquilidade, a paz, ou a acalmia, não vai voltar porque nas escolas continuam os mesmos professores e as relações profissionais não se alteram com acordos de intenções (ou de princípios).

O individualismo é uma marca inexorável da cultura profissional docente. Ver mais longe do que a distância do próprio umbigo é um desafio imenso que se coloca aos professores. É evidente que não estamos perante um problema novo. O individualismo é uma forma de cultura profissional. A investigação avança com dois tipos de explicação para os factores que determinam o individualismo. No primeiro e mais tradicional, o individualismo é associado à desconfiança, aos comportamentos defensivos e à ansiedade; a defeitos e fracassos dos professores, que seriam em parte «naturais» e em parte resultado das incertezas do seu trabalho. (Hargreaves)

Bastou acenar com um sistema de avaliação invasiva, que entra pela sala de aula dos professores, para que se confirme a tese de Hargreaves (David): «O culto do individualismo», defende ele, «tem infectado profundamente a cultura ocupacional dos professores». Estes «guardam ciosamente a sua autonomia». Não gostam de ser observados, e ainda menos avaliados, porque receiam as críticas que podem acompanhar tal avaliação.

Ora, regressando um cenário de avaliação invasiva, voltará a intranquilidade. E como a avaliação está agregada à progressão na carreira, e como só a avaliação dentro da sala de aula permitirá acelerar na carreira, a paz podre desapareceu irremediavelmente das escolas.

Habituem-se! Ou resignem-se! Ou deixem-se de umbiguismos e privilegiem a acção Política!