Faz falta um Ubuntu na profissão docente.

images Por falta de assunto? Pelo cansaço? Pela excelente saidinha de fim-de-semana?

Não me faltam motivos para justificar o apagão de ano novo. De facto, não foi o esmorecimento, nem a regeneração. Foi uma mudança profunda, substantiva, de sistema operativo. Simbolicamente, é uma mudança que há muito desejo para a minha profissão. Uma espécie de mudança que toque o religioso: a alegoria da caverna aplicar-se-ia perfeitamente.

Não se trata apenas de um processo de conversão, de uma passagem do Windows (7) para o Linux, mas de algo radicalmente diferente: é um passadiço para um sistema verdadeiramente livre, embora, confesso, continuo com algumas amarras do Office por desprender. Este Ubuntu, na sua versão 9.10, surpreende pela flexibilidade e pelas imensas possibilidades no ambiente de trabalho.

E que falta nos faz um Ubuntu na profissão docente!…