Expliquem-me como se eu fosse muito burro…

gripeO ME e MS combinaram elaborar um plano de contingência para a gripe A a aplicar nas escolas. Minimizar os riscos de contágio e retardar a propagação da doença são as duas ideias dominantes do plano. Salas de isolamento, antissépticos qb, roteiros de procedimentos minuciosamente elaborados para accionar os mecanismos de controlo do maldito vírus, enfim, as escolas estão prevenidas para a epidemia…. Bem, façamos um pequeno esforço para acreditar que estão prevenidas, pode ser?

Percebo perfeitamente os receios de todos aqueles que cuidam da saúde pública, da segurança nas escolas, do bem-estar dos nossos filhos. A prudência recomenda que se antecipem cenários de propagação generalizada do vírus o que pode implicar o encerramento dos estabelecimentos escolares se não se forem asseguradas as condições mínimas de segurança. Percebo tudo isso. E como percebo isso tudo e estou de boa fé neste processo, espero que alguém mais esclarecido do que eu me ajude a perceber como é que a epidemia pode ser minimizada numa aula de Educação Física. Isto é, não alterando as circunstâncias da prática da actividade física nas escolas como é que avisamos o vírus para que se contenha enquanto os alunos praticam actividades físicas desportivas?