Cá se fazem, cá se pagam!

 Nenhum partido rejeitou o teste: nem o governo, que se mobilizou em peso para coadjuvar o cabeça de lista do partido aceitando o debate da política caseira; nem a oposição, que procurou associar o estado da crise à crise do governo do estado. Todos assumiram que os resultados desta noite seriam um teste ao governo. Por essa razão é que seria um mau sinal, um sinal muito preocupante se estas eleições não penalizassem o partido do governo. Seria um mau sinal que a arrogância e a bazófia não saíssem derrotadas. Não fiquei surpreendido que José Sócrates, no rescaldo da derrota, demonstrasse incapacidade para reconhecer o óbvio. Circunscrever este resultado às europeias é uma fuga à realidade pelos intervalos da chuva.