Arquivos mensais: Janeiro 2009

Dúvida metódica

Face à catadupa de notícias na imprensa escrita de hoje que insinuam o envolvimento de José Sócrates em actividades ilícitas, no caso Freeport, devo ou não preocupar-me com o impacto das acções deste governo relativas à concretização da política educativa?

Anúncios

Haja paciência!

Dois dias ainda não são suficientes para recuperar da argumentação risível que foi utilizada para justificar a entrega dos OI’s.

Prémio dardos

premio_dardosOs blogues Netescrita, Bilros & Berloques, Ruptura Vizela e Correntes presentearam-me com este magnífico prémio. Gosto de teias que estimulam quem recebe uma das pontas; gosto de correntes que promovem o estreitamento das relações blogoEsféricas.

“Com o Prémio Dardos se reconhece o valor que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. que em suma demonstram a sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre as suas letras, entre as suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à web. Quem recebe o Prémio Dardos e o aceita deve:

– Escolher 15 outros blogs a quem entregar o Prémio Dardos;
– Linkar o blog pelo qual recebeu;
– Exibir a distinta imagem.”

http://fjsantos.wordpress.com/

http://diasdofim.blogspot.com/

http://correntes.blogs.sapo.pt/

http://professorsemquadro.blogspot.com/

http://rupturavizela.blogs.sapo.pt/

http://msprof.blogspot.com/

http://partilhadosaber.blogspot.com/

http://tempodeteia.blogspot.com/

http://terrear.blogspot.com/

http://nelsonpires.blogspot.com/

http://dias-assim.blogspot.com/

http://coisasdecabeca.blogspot.com/

http://franciscotrindade.blogspot.com/

http://revisitaraeducacao.blogspot.com/

http://edutica.blogspot.com/

http://antero.wordpress.com/

http://fliscorno.blogspot.com/

http://conversamos.wordpress.com/

http://profslusos.blogspot.com/

http://professoresramiromarques.blogspot.com/

http://ocartel.blogspot.com/

http://educar.wordpress.com/

http://outroarcanjo.blogspot.com/

O elogio

Sem pretender ser demasiado cáustico na interpretação dos factos, tenho de conjecturar que o relatório foi o pretexto para um elogio [politicamente] fúnebre. E só não vê quem não ouve 😉

Amnésia ou mau prenúncio?

Ministra admite melhorar condições de professores das actividades extra-curriculares

Como não é crível que se alterem as condições de professores a poucos meses do final do ano lectivo, quando é que a senhora ministra prevê melhorar as condições dos professores? Para o próximo ano lectivo?
hummm… será que os elogios rasgados e expansivos do primeiro-ministro terão provocado uma amnésia? Ou será um mau prenúncio?

Azia sindical

FTrindade desafia-me a desenvolver a afirmação de que há, presumivelmente, problemas mal resolvidos entre os professores e os sindicatos. O desafio não cai em saco roto embora este não seja o momento para outros desenvolvimentos porque, como sugere o PauloP, convém guardarmos munições para o nosso inimigo comum.

Quero precisar que a ordem dos factores não é arbitrária: quando disse que há problemas entre os professores e os sindicatos quis dizer que há professores que não se identificam com a orientação político-sindical deste ou daquele sindicato; ou que não se revêem nas lógicas de acção sindicais.

Quando disse o que disse, não pensei nos professores que consideram que os sindicatos não têm razão de existir porque a profissão docente é uma quase-profissão [creio que esta observação conduzir-nos-ia a outra conversa].

E quando digo que a ordem dos factores não é arbitrária, digo que não é presumível que um sindicato de professores tenha algum problema com um professor. Um sindicato é muito mais do que a sua direcção e só alguém com um patológico complexo de perseguição acreditará que a organização se uniu para o ostracizar.

Finalmente, quando digo que existirão problemas mal resolvidos entre professores e sindicatos digo-o porque não acredito que algum movimento de professores ousaria criar um novo sindicato sem invocar problemas com os sindicatos actuais. 😉

Tiros na água.

«[A adesão foi menor] relativamente ao que estávamos à espera e face ao número que conseguimos juntar no dia 15 de Dezembro, mas isto também reflecte a desorientação em que muitos professores estão, face ao tipo de resistência que lhes está a ser pedida nas escolas, nomeadamente pelas direcções dos sindicatos, sem que ao mesmo tempo haja uma perspectiva de continuidade da luta», afirmou o coordenador à TSF. (in: TSF)

Os movimentos de professores que hoje organizaram uma concentração de professores em frente ao Palácio de Belém não digeriram a fraca mobilização de colegas. Ao invés de procurar as causas da fraca mobilização de professores dentro de portas, Mário Machaqueiro prefere culpar as direcções dos sindicatos pelo fracasso da luta.

Eu prefiro não me desviar do essencial:

1. Já se percebeu que o professorado está focado e imerso no seu trabalho diário e que não é afoito à iniciativa política.

2. Não é possível vencer uma batalha política sem a acção política. E a acção política deve ser consertada, não pode ser voluntarista e inconsequente.

3. Os sindicatos de professores são as únicas organizações socioprofissionais que reúnem as condições mínimas para manter um braço de ferro com o governo em tempo útil, isto é, até às próximas eleições.

4. Os sindicatos só podem enfrentar este governo se tiverem a disponibilidade dos professores para a luta. Muitos professores estarão fartos de política e de luta política! Mas este não é o momento para esmorecer. E sem querer passar uma esponja pelos problemas mal resolvidos entre os professores e os sindicatos, direi que é preciso fixar o alvo central da contestação neste governo. Nas reuniões sindicais a realizar nas escolas há que intervir, participar, eventualmente pressionar as direcções sindicais para agirem de acordo com as deliberações tomadas nessas reuniões.

5. Agora, mais do nunca, é fundamental apoiar as iniciativas dos sindicatos e reforçar o seu poder negocial. Sobretudo agora que chegamos à discussão do essencial: o ECD.