Arquivos mensais: Outubro 2008

Bluff…

Professores sem avaliação não progridem na carreira – adverte ministra

E com avaliação, os professores progridem na carreira?

Como professorezeco, não titular, atingi precocemente o topo da carreira (na prática estou a 2 escalões do topo) de forma coerciva. Como eu estarão milhares de professores. Todos sofremos os efeitos da perda do poder de compra ao longo dos últimos anos, efeitos que parecem irreversíveis. Não vislumbro alterações deste quadro enquanto o ME persistir em cobrar aos professores os erros de gestão das finanças públicas que ele próprio e os antecessores governos cometeram.

Creio que a senhora ministra pensa que a ameaça do retardamento da progressão na carreira será suficiente para dissuadir a resistência dos professores fazendo-os baixar os braços diante de um modelo de avaliação iníquo. Se pensa, pensa mal. Não estou a insinuar que os professores são insensíveis à questão material ou que a progressão na carreira deixou de preocupar os docentes. Estou apenas a dizer que os professores são profissionais do pensamento. Sabem identificar com alguma facilidade a teoria da cenoura do chicote (já perceberam que me deixo levar com alguma facilidade para as generalizações 😉 ).
Parem de menosprezar a nossa inteligência!

(Imagem aqui)

Prenúncio do norte.

Fomos dezena e meia no 8 de Março. Hoje contei três dezenas sem contar com alguns indecisos que decidirão o que fazer apenas no início da próxima semana.
Não quero alimentar falsas expectativas mas estou com um pressentimento de que o 8 de Novembro poderá ser ainda mais… surpreendente.

Prémio “Dardos”

Deixo aqui os meus agradecimentos à brit do blogue O Cartel por ter agraciado o outrÒÓlhar com o prémio “Dardos”, mais uma das nossas correntes blogosféricas, no qual «se reconhecem os valores que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web”

Quem recebe o “Prémio Dardos” e o aceita deve seguir algumas regras:
1. – Exibir a distinta imagem;
2. – Linkar o blog pelo qual recebeu o prémio;
3. – Escolher quinze (15) outros blogues a que entregar o Prémio Dardos.»

Os blogues são, sem ordem específica:

1. (Re)Flexões
2. correntes
3. Da crítica da Educação à Educação Crítica
4. coisas de Cabeça
5. Ruptura Vizela
6. Ecos
7. Memórias soltas de prof
8. Professores sem quadro
9. Tempo de teia
10. Terrear
11. O cantinho da educação
12. 4thefun
13. Vida de Professor
14. Talvez península
15. O canto do vento

(Imagem aqui)

Um ligeiro murmúrio

Afinal não fui o único a ficar atado após a entrevista da Ministra da Educação à revista Visão.

Li no blogue O Cartel que o CNAPEF (Conselho Nacional das Associações de Professores de Educação Física) e a SPEF (Sociedade Portuguesa de Educação Física) também ficaram ensarilhados com a entrevista e decidiram esclarecer a senhora ministra.

E fizeram muito bem, fizeram o que lhes competia. E já que meteram a mão na massa, aguardo que as prestigiadas associações de classe se pronunciem com mais acutilância sobre o processo de implementação do modelo de avaliação do desempenho docente. 😉

Um abraço solidário.

Estou impressionado com as imagens das declarações da colega Domingas Velez, um dos elementos demissionários do Conselho Executivo da Escola EBI de Santa Maria de Beja.

Sinto um nó na garganta que se aperta ainda mais com a raiva, dor e impotência!…
Assim não se pode ser professor!

Loucura ou maldade

Aconselho vivamente a leitura deste texto da Maria Lisboa.

“Que o diploma sobre a avaliação docente é um verdadeiro monstro burocrático já todos constatámos. Que a esse monstro foram sendo implementadas mais cabeças, com os diferentes despachos e memorandos que lhe foram sendo anexados, em nome da regulamentação do monstro, transformando-o numa hidra de Lerna, também já todos nos apercebemos. Que os serviços intermédios do ME, com as suas estranhas interpretações, ainda, o “amostrenguem” mais, também já todos sabemos.

Que entre nós ainda consigamos aprimorar o “bicho” tornando-o ainda pior do que é, é que já ninguém entende.

Espanto-me, cada vez mais, como alguns elementos de uma classe diferenciada, portadora das mais altas habilitações académicas, revela a sua total iliteracia quanto à leitura, interpretação e aplicação de simples articulados de uma legislação.” (continuar a ler aqui)