Sem tento na língua

«Sou de um partido onde era impossível um líder dizer que o principal objectivo da família é a procriação» José Sócrates, secretário-geral do PS

Por aqui se vê o estado de alienação em que se encontra o secretário-geral do PS. Ele ainda não percebeu que pode dizer as maiores barbaridades políticas, pode inflectir para o lado que bem lhe apetecer, pode dizer e desdizer-se, pode ter ou não “tento na língua”, que será recebido em aclamação pelos seus apaniguados enquanto estes farejarem o poder.

Se o secretário-geral do PS não é capaz de reconhecer o seu partido, como poderá compreender o país?