Futebol, outròólhar (IV)… da axiologia

“A finalidade do desporto é a de ajudar a fazer o homem com pessoa única, singular, distinta. Ajudá-lo a medir-se como sujeito dentro da sua grandeza física, estética, moral e espiritual.
[…] É por tudo isto que enfatizo a necessidade de reafirmar o desporto como um projecto axiológico. São princípios e valores que perfazem o teor da sua missão. Fora deste horizonte não tem qualquer substância humanista e cultual e deixa de pertencer ao reino das coisas mais sublimes que o génio humano inventou.
[…] Onde brilha o dinheiro, empalidecem os ideais. Estes vêem-se arredados da polis desportiva por interesses, mandarins e mandaretes com uma altura e uma grandeza de vão de escada.” (Jorge Bento)

Futebol, outròólhar (III)… da antropologia

“Há dois momentos distintos quando se realiza uma partida de futebol na região habitada pelos Peoná. O primeiro, quando o jogo é realizado entre os índios da própria etnia e termina sempre em empate. O segundo é o confronto dos índios Peoná com outras etnias que termina sempre na vitória do visitante. Até o presente momento essas curiosidades indígenas parecem ingénuas do ponto de vista civilizacional moderno. Aqui parece que o futebol realmente não incorpora os valores da realidade, efectivando o dito popular de que “futebol não tem lógica”. Vamos a algumas análises que podem ser elucidativas ou conflituantes conforme o conhecimento da vida indígena, dentro do aspecto ludico-rilual.
Ao visitante dito “branco”‘, os Peoná são arredios e de pouca conversa. É necessário um tempo significativo para que eles aceitem o visitante em seu meio ambiente. A princípio, o visitante é hostilizado e serve como elemento para infindáveis gozações. A realização da partida de futebol é algo que liberta o visitante deste estado, é quando o mesmo é considerado pertencente à natureza, logo adquire a vida por assumir a ave ou bicho do qual o nomearam durante o período de gozação. Aqui informamos que este estado, adquirido pelo visitante ao assistir a uma partida de futebol, jamais lhe promove a qualquer igualdade, pois a condição da criação mitológica é mantida em todos os aspectos. Vale a pena esclarecer que a criação mitológica fez sair de dentro da grande cobra-barco, primeiros índios considerados superiores na região, depois os Maku e finalmente o branco. Esse fenómeno da criação mitológica bem evidenciado com a realização do jogo de futebol. Quando o Peoná conquista uma amizade, ele torna-se o mais vassalo de todos os seres habitantes da natureza. Além da dedicação e da amizade, eles têm sempre um pedido especial para fazer ao visitante traga uma bola joga. A presença da bola significa a continuação do jogo de futebol. Por sinal, vemos a bola como o único implemento copiado do jogo moderno.

O jogo de futebol e ritualizado há muito tempo na comunidade indígena dos índios Peoná, que habitam a região do alto Rio Negro. Este jogo trás, em si, características bem próprias de uma cultura rica no sentido lúdico, que luta pela manutenção dos seus costumes, usando o futebol para tanto. O futebol, para esses índios, além de ser uma maneira recreativa, está lotado de uma infinidade de leituras sociais das quais podemos compreender melhor seu modo de vida.
O índio Peoná, pertencente ao tronco dos Maku, considerados como vassalos das outras tribos e os mais selvagens da região, está contido no meio ambiente, pois mantém a mais estreita relação com o mundo selvagem. Para eles, a existência e a sobrevivência devem estar muito próximos ao reino animal e de valor fundamental ao meio ambiente em que vivem. Não é só valor quantificado, acima de tudo temos o valor incorporado na sua essência como ser vivo.
Nós, que somos pesquisadores da área de Educação Física, sentimo-nos honrados com a importância cultural que o desporto exerce para os índios Peoná. O desporto assume uma verdade histórica entre essa etnia, revelando não só o sentido da disputa, como também, aspectos culturais importantes para a sua identidade indígena.
Na nossa óptica, o jogo é a vida de um Maku, não termina, tem sempre continuidade. Há uma jogada da vida por fazer e esta tem uma roupagem social importante para garantir o sentido ritual das etnias. A competição marca um momento único para estreitar os laços de fraternidade entre as etnias envolvidas.
Assim como o Kuarup (ritual realizado pelos krenakoro, habitantes da região do Mato Grosso. Esse ritual assemelha-se ao jogo da estafeta, sendo realizado dentro da selva e com auxílio de um tronco muito pesado que serve de implemento recreativo), simbolizado no tronco sagrado que restaura seus ancestrais, o futebol entre os Peoná vivencia o momento mais importante de sua vida, que foi o início de tudo, a criação de todas as tribos. Ambas as manifestações são festas, por isso sagradas. Para o kuarup, a confraternização tem entido Olímpico. Para o Peoná, o jogo de futebol, é mais um acontecimento da natureza que merece uma comemoração especial. Estamos vivos! Renascemos na selva.” (pp. 264-266)

Jefferson Jurema e Rui Garcia (2002). Amazônia – Entre o esporte e a cultura. Editora Valer. Manaus.

Futebol, outròólhar (II)… da antropologia

“Os Peoná são os indígenas considerados os mais primitivos dos habitantes daquela região. Eles empregam várias características, como por exemplo: o seu modo de andar, quando estão na cidade, pois caminham como se estivessem dando passos dentro de uma selva íngreme. Essa é uma das qualidades que difere esses índios dos outros. Outro aspecto é o fato deles não serem afeitos com números, géneros e graus. O uso da roupa, mesmo estando numa comunidade que adopta esses costumes, constitui-se num grande problema para aquela etnia.
Aqui temos algumas das qualidades de um Peoná sendo desenhadas, copiadas ou até mesmo expressas no jogo de futebol. O jogo obedece a certas regras do futebol moderno, que são adaptadas à vida primitiva. O número de jogadores em campo é algo não relevante, pois jogam quantos elementos da comunidade estejam presentes no acontecimento. A idade e o sexo são variáveis desconsideradas. Num mesmo time, há um verdadeiro encontro de pessoas e de idades; são homens, mulheres, jovens, crianças e idosos, todos com mesma função: jogar o futebol.
O tempo de realização de uma partida é espectacular. o jogo começa, por exemplo, no meio da tarde e, por fim, pela noite. Fomos informados de partidas que duraram até doze horas para se conhecer um vencedor.
A bola pode ser qualquer representação daquela encontrada no futebol moderno. O importante é o acontecimento. As funções de ataque, defesa e posição em campo não obedecem a critério algum, sendo essa regra determinada pela vontade “bem natural” inerente ao Peoná. As substituições acontecem a qualquer momento do jogo e é comum ver-se entrar vários jogadores em campo e não sair ninguém da peleja.
O jogo assemelha-se a uma dança onde eles expressam grande alegria em estar realizando aquela actividade. A cada jogada, eles cantam, brincam, riem e dançam. O jogo tem muito mais sentido de festa do que de uma competição.
Ao mesmo tempo em que eles estão motivados a jogar, saem a correr para o mato, abandonando o jogo, e isto é motivo de alegria para os que ficam em campo. Depois eles voltam do mato, incorporados na figura de um bicho e entram na joga¬da como se nada tivesse acontecido. O que acontece quando o jogo termina? Após o jogo vem a celebração, bem comparada com aquela feita na conquista do tetracampeonato de futebol feita pelo seleccionado brasileiro. A festa, a sagração dos ídolos, a rememorização dos costumes, o encontro com irmãos Peoná, a farta ingestão de bebidas e muita dança.” (pp. 262-263)

Jefferson Jurema e Rui Garcia (2002). Amazônia – Entre o esporte e a cultura. Editora Valer. Manaus.

(Continua…)