Euromilhões

Artigo 63º.
Prémio de desempenho
1—O docente do quadro em efectividade de serviço docente tem direito a um prémio pecuniário de desempenho, a abonar numa única prestação, por cada duas avaliações de desempenho consecutivas com menção qualitativa igual ou superior a Muito bom, de montante a fixar por despacho conjunto dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da educação.
2—O prémio de desempenho a que se refere o número anterior é processado e pago numa única prestação no final do ano em que se verifique a aquisição deste direito.
3—A concessão do prémio é promovida oficiosamente pela respectiva escola ou agrupamento nos 30 dias após o termo do período de atribuição da avaliação.

O Blog Horários Escolares desvaloriza os “putativos benefícios das menções de Excelente e de Muito Bom” (via Ramiro Marques) analisado o artº 48 do ECD. Atendendo à forma justa e séria como o ME tem conduzido as negociações com os representantes de professores, é expectável que a regulamentação do Artigo 63º do ECD augure uma espécie de… Jackpot.

Já estou aqui que nem me aguento com tamanha ansiedade.

Falácia

Secretário de Estado adjunto da Educação: “Se todos puderem ser excelentes, o que está errado é a definição de excelência”

Desenganem-se os que pensam que se trata de um problema de semântica, como se poderá depreender das declarações do SEAE.
Trata-se, obviamente, de um problema de gestão corrente das contas do ME.
O que deve ser lido nas declarações do SEAE é o seguinte: Se todos [os professores] puderem ser excelentes [nós não temos dinheiro para lhes pagar, logo,] o que está errado é a definição de excelência.
A política pode e deve ser decorosa!

A fuga para o abismo II

“O pior analfabeto é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.

O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo.”

Bertolt Brecht

A fuga para o abismo.

Alguns docentes pró conselho geral transitório, inscritos ou não em directório partidário, ignorando ou não a importância da luta política situada, usam os seguintes argumentos para justificar (a fuga para o abismo (?)) o alinhamento nas listas para o dito órgão:

1. A constituição de um conselho geral transitório é inevitável;
2. A escola necessita de tempo para proceder às alterações no regulamento interno.

Considero que estes argumentos servem de pretexto para disfarçar motivações mais… enviesadas.

1. A constituição de um conselho geral transitório é inevitável?
Se é incontestável a legitimidade do governo legislar, o produto do acto legislativo é sempre susceptível de ser contestado. Uma lei existe para ser revogada, digo eu. E não estou a pensar apenas nas leis injustas e estúpidas. Olhar para a lei constituída como algo de imutável, apesar do reconhecimento da sua iniquidade, é uma atitude conformista e acrítica que importa combater.
Alguém acredita que o ME se demitirá de encontrar uma solução administrativa para colmatar a ausência de candidatos ao conselho geral extraordinário? Não me parece. É certo que o modelo definhará por ser insustentável, por reeditar um modelo organizativo caduco. Mas o modelo não definhará antes de ser imposto. Estamos habituados à teimosia deste governo para anteciparmos a imposição de uma solução radical: se não querem eleger o conselho geral transitório, nós nomeá-lo-emos!
A prorrogação do mandato dos membros docentes da Assembleia de Escola é uma das soluções a considerar.

2. A escola necessita de tempo para alterar o regulamento interno?
Andy Hargreaves considera que o tempo não é apenas um constrangimento objectivo e opressivo: é também um horizonte, subjectivamente definido, de possibilidade e de limitação. O mesmo autor alerta para o facto de o tempo ser uma variável objectiva, uma condição instrumental e organizacional que pode ser manejada pelos gestores, por forma a promover a implementação de mudanças educativas cujo propósito e necessidade tenham sido determinados noutro contexto. A alteração do regulamento interno é o pretexto!

Insisto nesta ideia: este não é o tempo de perdermos uma oportunidade que seja para dizer NÃO à política educativa deste governo!

Monodocência – Toque de finados

Escola de Joane já “fundiu” 1º e 2º ciclos e sem “transições bruscas”
[…] Alfredo Lima defende que as Actividades Extra-Curriculares, que as crianças frequentam logo que iniciam o percurso escolar, passem a ser curriculares.
“Os alunos do 1º ano já têm Inglês, Educação Física, Música e Estudo Acompanhado que são algumas das disciplinas que vão ter ao longo de toda a vida escolar”, salientou o presidente do agrupamento.
[…] “Acho muito bem a proposta de juntar os dois ciclos num só desde que isso não implique haver menos docentes a leccionar e turmas maiores”, salientou o presidente do Agrupamento de Escolas Bernardino Machado. […]

Atendendo à universalização das AEC’s e à obrigatoriedade do ensino da disciplina de Inglês, não faz qualquer sentido falar em monodocência no 1º ciclo. O ME está à espera de quê para reconhecer esta evidência?

Psicologuês…

Este artigo de José Morgado (in: Público, 25/5/08) releva um conjunto de 7 equívocos que emergem dos discursos de alguns psicólogos supostamente impreparados para as matérias ligadas aos processos educativos:

Equívoco 1 – “Não se pode contrariar as crianças”.
Equívoco 2 – “As crianças têm sempre razão”.
Equívoco 3 – “As crianças são sempre boazinhas”.
Equívoco 4 – “Não se pode dizer às crianças que erraram, por que se traumatizam”.
Equívoco 5 – “As crianças podem fazer o que querem, trata-se de experiências”.
Equívoco 6 – “Não se pode castigar as crianças”.
Equívoco 7 – “A autoridade não é boa para as crianças”.

Dir-me-ão que estes equívocos não passam os muros da escola e que é apenas retórica de alguns fazedores de opinião. Pois…

Outro olhar

“A política educativa em Portugal tem revelado graves problemas e isto por quatro razões:
Primeiro, porque continuamos a adoptar um modelo de mudança e de reforma que é centralista, iluminado, uniformizante, oriundo de um aparelho, mais ou menos incógnito, que toma as milhares de escolas como se fossem uma só e que vê na publicação de normas no Diário da República (sucessivamente alteradas)o principal instrumento da melhoria da educação. Resultado: mudança após mudança, as melhorias ficam muito aquém do esperado, do necessário e do possível.

Segundo, porque o aparelho do Ministério da Educação não confia sistematicamente no exercício profissional, na autoridade e no profissionalismo dos professores. Por isso, investe-se demasiado em tudo definir a priori, interessa menos o que se passa e os resultados gerados em função daquilo que realmente se passa (dão-se passos iniciais na avaliação das escolas). O clima que se gera só pode ser de desresponsabilização, de travagem da autonomia e de desincentivo ao trabalho árduo e contínuo de tantos, em ordem à melhoria gradual e responsável de cada escola.

Terceiro, porque não há liberdade para conceber, desenvolver, aplicar, avaliar e melhorar projectos pedagógicos diferenciados, por escola. Ora, todas as escolas são diferentes e a melhoria da educação só pode resultar se houver liberdade e responsabilidade, quer por parte de quem assume a direcção e a gestão das escolas quer de cada docente, desde a sala de aula até aos órgãos de regulação pedagógica.

Quarto, porque a sociedade portuguesa (pais, autarcas, empresários, interesses socio-culturais locais…) ainda investe pouco na sua educação escolar, no saber, no conhecimento. Existe hoje um novo clima de disponibilidade por parte de muitos actores sociais e esse capital tem de ser fortemente mobilizado. Precisamos de mais sociedade na educação, agora que há muito mais educação na sociedade portuguesa.” (Joaquim Azevedo in: Educare)

Não ao conselho geral transitório!

Apesar de manifestar uma clara e assumida oposição ao novo regime de gestão imposto pelo ME, o professorado parece vacilar quando desafiado a agir e a recusar a participação no conselho geral transitório.

Saber por que motivo(s) os professores rejeitam a Luta para alinhar, coniventemente, num processo que lhes é desfavorável (?), é a pergunta que importa responder nas escolas. Estou plenamente convencido de que ao aclararmos os motivos para tamanha incongruência, deciframos o código da colaboração artificial que mina as relações de confiança nas escolas.

Divulgação

QUEIXAS DE PROFESSORES

A partir de hoje, passamos a disponibilizar um serviço de recolha de queixas dos colegas professores e educadores, relativas ao seu desempenho profissional, através do e-mail profqueixa@gmail.com.

Todas as queixas recebidas serão reenviadas para:
– Presidente da República;
– Assembleia da República;
– Procurador-Geral da República;
– Vários deputados da Assembleia da República (de todos os partidos representados) e comissões parlamentares;
– Órgãos de comunicação social.

Sempre que assim for solicitado, as queixas serão também publicadas no blog MUP – QUEIXAS DE PROFESSORES, podendo-se, caso vontade expressa, apresentá-las de forma anónima.

A responsabilidade pelo teor da queixa é sempre do emitente que a fez chegar. “(via: mobilizacaoeunidadedosprofessores.blogspot.com/)

O umbigo, a nossa mundividência e a acomodação.

“Acredita-se comumente que a carga obriga a escravidão. Indianos esmagados sob o peso da juta ou chineses arqueados sob o palanquim, vocês já transportaram alguma vez? Perdemos o porte.” (Michel Serres)

Menosprezei a capacidade de antecipação e de previsão dos promotores da Manifestação Regional na cidade do Porto. Protestei aqui pelo espaço encontrado para concretizar a iniciativa porque, de facto, a Praça D. João I seria sempre um espaço exíguo face aos motivos da contestação. Quis acreditar que os professores persistiriam na luta de forma genuína. Deixei-me alienar por um optimismo que era justificado pela retórica de resistência que escutei da boca de muitos professores e que, malogradamente, tem sido contradito pelas suas próprias práticas.

Os resquícios do Memorando de Entendimento entre o Ministério da Educação e a Plataforma Sindical dos Professores demonstram que bastou uma brecha no cerco imposto pelos professores ao ME para que emergisse a faceta paroquialista dos professores. É o regresso às questiúnculas da escola situada e à “vidinha” rotineira: o umbigo é, afinal, a nossa mundividência. A indignação metamorfoseou-se de acomodação. Que esta nobre capacidade de adaptação, que tanto nos pode levar ao céu como ao inferno da humanidade, não nos faça perder o porte.

A escola situada…

Como combater o Abandono Escolar

A Directora de uma turma tem um aluno que já está reprovado por faltas. Prepara tudo para o reprovar e indiciar para retenção. Faz-se a reunião, decide-se tudo e envia-se a acta e afins para o Conselho Executivo.
A DT é chamada ao CE e informada que deve chamar o encarregado de educação do aluno e obrigá-lo a justificar-lhe as faltas. Não pode reter o aluno por faltas.
E assim se atinge o objectivo do naõ abandono escolar, mostrando aos alunos que isso de reprovar por faltas é uma treta de todo o tamanho.
Sinto-me revoltadíssima!!! Com o ME, com os governantes e principalmente com o presidente do CE!!! Isto é uma palhaçada!!!” (Professorinha)”

Protesto…

… também pelo lugar exíguo que foi encontrado pela plataforma sindical para o protesto regional a realizar, no próximo sábado, na cidade do Porto.

O meu protesto simbólico resulta da presunção de coerência dos docentes, não só daqueles que marcharam em Lisboa no dia 8 de Março, como dos outros que se ficaram pelas promessas de um reencontro na rua.

Deputação funcionalista…

Socialistas com mais de 500 faltas
Os deputados socialistas já registaram nesta sessão legislativa, que termina a 18 de Julho, mais de 500 faltas às reuniões plenárias. Perante este cenário, o líder parlamentar do PS, Alberto Martins, chamou a atenção dos deputados e exigiu maior assiduidade”

Recordo o tempo em que a assiduidade dos docentes fazia a manchete dos jornais. Sorrio com o modo aparentemente ingénuo como a imprensa manipula as estatísticas, distorcendo e enviesando a realidade. O líder parlamentar socialista parece muito preocupado com a imagem que trespassa das ausências dos deputados no hemiciclo. No seu lugar não me preocuparia com este tipo de minudências e muito menos relevava o assunto na praça pública. No seu lugar, questionaria seriamente a qualidade da participação dos deputados dentro e fora do parlamento; questionaria seriamente o legado de confiança recebido nas urnas; perguntar-me-ia se a “deputação” é ou não uma espécie de funcionalismo público e um emprego.

Na mouche.

«MLR insiste nos lugares comuns e na desfiguração do papel da escola
A ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, disse, ontem, em Braga que “a escola actual tem de ser mais aberta e participativa, de forma a formar jovens para a cidadania e para a sociedade do conhecimento”.”A escola tem de formar cidadãos para participarem numa sociedade aberta e participativa, mas tem também de os preparar para serem autónomos, capazes de desenvolver projectos pessoais e profissionais”, declarou.A governante falava durante a sessão inaugural do 1º Congresso Escolar – Ambiente, Saúde e Educação que começou hoje no Mosteiro de Tibães, em Braga.Maria de Lurdes Rodrigues disse que “o sistema de ensino tem de se preocupar em formar cidadãos europeus, mas tendo em atenção que o desafio que os espera é global e não apenas da União Europeia”.Realçou que as escolas têm hoje uma missão diferente e mais difícil do que no passado, dificuldade que se prende “com as novas exigências que o mercado coloca aos jovens que nele entram”. E sublinhou que “o sistema de ensino já não é só um sistema de aprendizagem, posto que tem de responder de forma positiva a novas exigências e sinais sociais, em áreas como a saúde, o ambiente e a cidadania”.

Leia o resto no Público Online.

Comentário

MLR insiste nos lugares comuns e na desfiguração do papel da escola e da profisão docente. Para MLR, a escola serve para tudo menos para cumprir a sua essência: transmitir a herança cultural, científica, artística e tecnológica. MLR opina que a “escola já não é só um sistema de aprendizagem”. Diz que as “escolas têm hoje uma missão diferente da que tinham no passado”. Diferente em quê? Não continuam a ensinar Matemática, Línguas, Ciências, Artes, Tecnologias, História e Geografia? Não continuam a desenvolver o potencial de cada um? Não continuam a fazer a formação cultural e cívica das novas gerações? Repare como MLR desvaloriza o papel da escola enquanto promotora da aprendizagem e valoriza os “novos papéis” de prestação de cuidados sociais e de guarda das crianças e dos jovens. Quando MLR afirma que a escola “tem de responder de forma positiva a novas exigências e sinais sociais”, está a reforçar a desfiguração da escola e da profissão docente, tornando-os agentes que prestam serviços sociais e esquecendo-se de que os serviços sociais devem ser prestados, não pelos professores, mas sim pelos assistentes sociais e educadores sociais.

MLR fala muito, diz sempre a mesma coisa e insiste nos lugares comuns. A sua presença constante nos media e nas escolas é um factor de perturbação. Cada vez que abre a boca lança mais confusão sobre o sistema e aumenta a desmotivação e irritação dos professores.»

(http://ramiromarques.blogspot.com/2008/05/mlr-insiste-nos-lugares-comuns-e-na.html)

Não ao Conselho Geral Transitório!

Como eu gostava de estar enganado e de vir a reconhecer a minha precipitação quando corroborei a afirmação da Isabel: “o previsível esmorecimento da classe é causa da estratégia sindical e esta é pretexto oportuno para o (aparente?) esmorecimento da classe docente”.

O diploma de gestão escolar, já publicado em DR, deve merecer a forte oposição dos professores. Por razões conceptuais, que têm que ver com a falência dos modelos gestionários que se sustentam em lideranças “heróicas”; por razões políticas, que têm que ver com a colocação dos professores no “lugar do morto”.

Além dos motivos de fundo – conceptuais e políticos – que devem mobilizar os professores para a resistência, existe o instrumento que, bem usado, poderá estancar o processo em curso: a participação, ou melhor, a ausência de participação.
Nenhum professor é obrigado a participar no processo que conduzirá à formação do Conselho Geral Transitório. Relembro que sem Conselho Geral Transitório não é possível avançar com o processo de selecção do “líder heróico” metamorfoseado de Director. E sem Director, o processo de nomeação dos coordenadores de departamento é inviável e o diploma de gestão imposto pelo ME terá obrigatoriamente de ser remendado.

Agir concertadamente é o sinal inequívoco de que os professores estão dispostos a resistir! Este não é o tempo para lamechices, lamúrias e de “tiros na água”!

Este é o tempo para agir!

Uma estranha visão de autonomia

Há muitos espaços de intervenção nas escolas. (MLR no programa Cartas na Mesa da TVI.)

Depois de criar um conjunto de iniciativas políticas que provocaram a intensificação do trabalho docente recheado de tarefas administrativas, de ter afastado mais de 2/3 dos professores das funções de coordenação e de limitar a participação dos professores na eleição dos seus representantes (cf. novo diploma de gestão escolar centralista), é de uma ironia a resvalar para a provocação afirmar que “há muitos espaços de intervenção nas escolas”.

Presumo que esse espaço seja a sala de aula? Ou não?

Perverso exercício de solidariedade.

As contradições que se jogam na escola atravessam a todos os níveis as relações inter-pessoais. O fechamento pessoal, essa atitude de clausura e de rejeição à crítica e de reflexão sobre a prática, é o caldo onde se cozinham essas contradições.
Receio que a cultura de conivência com a incompetência e a falta de profissionalismo, o falso companheirismo que conduz ao silêncio, à protecção ou à defesa de comportamentos inadmissíveis, seja a porta de entrada da desprofissionalização docente.

A escola personalista plasmada na LBSE é um mito.

[…] Durante seis anos, uma equipa de investigadores que Jorge Adelino Costa integrou recolheu dados em escolas de uma cidade média do centro do país, cujos resultados não serão muito diferentes da realidade nacional: 60 por cento dos alunos do 12º ano frequentam explicações e os pais gastam entre 70 e 240 euros mensais, conforme o número de disciplinas.
[…]
«É quase um terceiro sistema de ensino e provavelmente os gastos com as explicações em Portugal são já superiores aos do ensino privado. O volume é tal, que o fenómeno tem de ser estudado», comentou à Lusa.
O investigador adverte para as questões de igualdade de oportunidades que o fenómeno levanta, quer em função das possibilidades económicas das famílias, porque nem todos os pais têm dinheiro para os filhos frequentarem as explicações, quer geográficas, já que no interior do país a oferta de explicações não é a mesma.
[…]
Jorge Costa acentua a urgência de um maior investimento nas escolas, não necessariamente financeiro, para que os alunos não precisem de recorrer a esses serviços e da regulação que tarda.
[…]
O fenómeno influencia as performances das diferentes escolas e muitas vezes introduz elementos de perturbação na sala de aulas.
«Fazem-se rankings das escolas com base no 12º ano e constatamos que em muitas das melhores escolas os alunos são apoiados por explicações. Estamos a avaliar o quê? As escolas ou os explicadores?», questiona o investigador.
As implicações fazem-se sentir também na «gestão da sala de aulas», em que os professores são confrontados com um grupo de alunos que domina a matéria, porque anda nas explicações, enquanto os outros não.
[…]
«Não podemos contrariar esse mercado, mas falta a articulação com as escolas. Há países onde os estabelecimentos de ensino fazem protocolos com centros de explicações para haver essa articulação», explica.
Numa década, o panorama mudou radicalmente. Enquanto há 10 ou 15 anos, os alunos «escondiam que andavam em explicações» porque estas eram frequentadas sobretudo por estudantes que tinham dificuldades às respectivas disciplinas, hoje as explicações são encaradas como mais um trunfo na competição pelo ingresso no ensino superior e chegam a ser uma moda.
[…]
O investigador dá conta de que «há escolas que oferecem um processo de explicações fora das aulas, mas os alunos preferem tê-las no exterior, onde se aplicam mais e sentem maiores obrigações porque os pais estão a pagar».
Lusa/SOL

Bom fim-de-semana :o)

O autor deste texto é João Pereira Coutinho, jornalista. Vale a pena ler! (Via Amélia Pais)

O fim último da vida não é a excelência!!!!

Não tenho filhos e tremo só de pensar. Os exemplos que vejo em volta não aconselham temeridades.

Hordas de amigos constituem as respectivas proles e, apesar da benesse, não levam vidas descansadas. Pelo contrário: estão invariavelmente mergulhados numa angústia e numa ansiedade de contornos particularmente patológicos. Percebo porquê. Há cem ou duzentos anos, a vida dependia do berço, da posição social e da fortuna familiar.

Hoje, não. A criança nasce, não numa família mas numa pista de atletismo, com as barreiras da praxe: jardim-escola aos três, natação aos quatro, lições de piano aos cinco, escola aos seis, e um exército de professores, explicadores, educadores e psicólogos, como se a criança fosse um potro de competição. Eis a ideologia criminosa que se instalou definitivamente nas sociedades modernas: a vida não é para ser vivida – mas construída com sucessos pessoais e profissionais, uns atrás dos outros, em progressão geométrica para o infinito.

É preciso o emprego de sonho, a casa de sonho, o maridinho de sonho, os amigos de sonho, as férias de sonho, os restaurantes de sonho.

Não admira que, até 2020, um terço da população mundial esteja a mamar forte no Prozac.

É a velha história da cenoura e do burro: quanto mais temos, mais queremos. Quanto mais queremos, mais desesperamos. A meritocracia gera uma insatisfação insaciável que acabará por arrasar o mais leve traço de humanidade. O que não deixa de ser uma lástima.

Se as pessoas voltassem a ler os clássicos, sobretudo Montaigne, saberiam que o fim último da vida não é a excelência, mas sim a felicidade!”

O que importa esconder do exemplo finlandês II

ADEBC CANCELA TORNEIO DE ENCERRAMENTO DE BADMINTON

[…]

Apesar de tanto ruído o meu objectivo é chamar a atenção para a falta de apoio que as escolas têm sentido ao longo deste ano lectivo para levar a cabo os seus projectos de Desporto Escolar. Com efeito estamos em pleno 3º período e as escolas da Coordenação Educativa de Coimbra (desconheço o que sucede nas outras Coordenações Educativas) não receberam qualquer verba do ME / Gabinete de Desporto Escolar. Logicamente muitas escolas têm dívidas de centenas ou até milhares de euros e já não autorizam mais despesas para as actividades previstas. No início deste ano constituímos uma Associação Desportiva Escolar pois entre algumas vantagens tínhamos a expectativa de podermos organizar mais actividades e logicamente aguardávamos uma verba em concordância com o nosso projecto. Na página seis do Programa do Desporto Escolar 2007 / 2009 podemos ler: “Desde o ano lectivo 2006/07 as ADE têm prioridade nas candidaturas à Medida 2 do Programa de Desporto Escolar (Organização de Quadros Competitivos inter-escolas). “. Puro engano !
Afinal o que se passa com as verbas que suportam o programa do Desporto Escolar?

Assim, com muita pena nossa, pois os principais prejudicados são os alunos, a ADEBC (Associação Desportiva Escolar Badminton de Coimbra) anuncia o CANCELAMENTO DO TORNEIO DE ENCERRAMENTO DE BADMINTON PREVISTO PARA 17 DE MAIO porque o ME / Gabinete de Desporto Escolar não cumpre as suas obrigações para com as escolas. Não podemos continuar a fazer de conta que o Programa do Desporto Escolar está a ser implementado normalmente em consonância com as belas intenções de quem legisla. Lembram-se daquilo que 100 mil conseguiram quando saíram à rua?

22 Abril 2008
Fernando Costa
Professor Ed. Física na ES D. Duarte / Coimbra”

Comentário: A escola ficcionada pelo ME e propagandeada na comunicação social, com arranjos coreográficos de alunos recrutados nas agências de actores, contrasta com a escola situada. Estamos precisados de uma imprensa que não se limite a fazer de caixa-de-ressonância oficial. Urge investigar o funcionamento das AEC´s e do DE.

O que importa esconder do exemplo finlandês.

“Los finlandeses, los europeos con mejores notas, tienen actividades deportivas todos los días.”

Há evidências nos estudos epidemiológicos que alertam para a importância da adopção de estilos de vida activos como meio de prevenir os riscos de doenças de essência hipocinética, das quais se destacam as cárdio-vasculares.
A adopção de estilos de vida cada vez menos activos, quando aliados aos problemas de obesidade, exige das entidades responsáveis pela Saúde Pública uma acção concreta dirigida à alteração de hábitos comportamentais. É necessário recorrer a um conjunto de estratégias diversificadas [a televisão e os meios de comunicação social jogam aqui um papel essencial] para sensibilizar as famílias para a necessidade de alteração dos seus hábitos de vida. A escola é chamada a colaborar. É indispensável convocar a educação física para dar o seu contributo. Apesar das recentes recomendações do parlamento europeu que desafia os estados membros a aumentarem o tempo semanal da Educação Física, o nosso governo parece incapaz de encarar o problema de frente. As pressões no sentido da redução da carga lectiva semanal fazem emergir o risco de se enveredar pelo caminho mais populista: a diminuição do peso das disciplinas pretensamente secundárias, entre as quais a Educação Física. Aliás, este caminho já foi iniciado, como comprova a presença muito subtil da disciplina nos cursos de educação formação, do ensino básico, e nos cursos profissionais, do ensino secundário.

E assim vamos cantando e rindo com a aposta centrada em programas de educação para a saúde inócuos já que se limitam a iniciativas esotéricas, como por exemplo, as acções de formação com “sabor a papel de música”. Há, no entanto, excepções que confirmam a regra: O programa Pessoa, ainda em fase de implementação, será desenvolvido no concelho de Oeiras e que parece bem desenhado para fazer face a este problema.

Isto vem a propósito deste texto da Glicéria e da sugestão de leitura do Ramiro Marques.