Os inconvenientes

Já experimentaram as reuniões de urgência [que são sempre tardias se atendermos às necessidades dos actores educativos] promovidas pela tutela? Já tiveram o prazer de participar “ao vivo” nos raros encontros que visam diagnosticar [risos…esta coisa de diagnosticar é apenas uma brincadeira de mau gosto porque os diagnósticos já vêm traçados dos gabinetes “profundos”] o funcionamento dos cursos [reporto-me aos cursos tecnológicos/secundário]?

Admitindo que essa experiência não é singular, não imaginam a minha curiosidade em saber o estado em que regressaram à escola situada.

Admitindo que se lembraram de colocar algumas questões indagando os porquês das decisões e das medidas adoptadas, não imaginam a minha curiosidade em saber o estado em que ficaram os responsáveis visados.

Isto a propósito de algumas dúvidas que importa esclarecer:
Qual é o tipo de professor desejado pelo administrador?
Um professor tem o dever de participar e colaborar com a administração para a execução das políticas educativas. Considerando que a participação e a colaboração são dois conceitos polissémicos; e que as políticas educativas nem sempre são claras e inequívocas, como é que um professor se pode apropriar desse direito de participação e colaboração sem correr o risco de se auto-flagelar com epítetos de inconveniente?